A Stranger Paradise

Add this page to Blinklist Add this page to Del.icoi.us Add this page to Digg Add this page to Facebook Add this page to Furl Add this page to Google Add this page to Ma.Gnolia Add this page to Newsvine Add this page to Reddit Add this page to StumbleUpon Add this page to Technorati Add this page to Yahoo

Bórgia Ginz

Ansiamos a instituição da livre circulação e transmissão de objectos da criação intelectual abstracta. O Homem não é; o Homem é uma potência do que pode vir a ser. E nós ambicionamos o Homem-outro. Nós não nos baseamos nas velhas teorias. Nós não nos baseamos em nada. Construimos realidade. A nossa.

astrangerparadise.com

 

Joséphine Muller

De jour en jour le besoin s'impose d'avantage. Il ne se prête plus guère à une considération détachée. La stylistique appliquée n'est pas l'observation du réel.

astrangerparadise.com/josephinemuller

 

Ian Linter

Non musika Excentrica IN! For electronikal renoise Key. Submit Random Science & reduction. Overflow cast Numar is for Den emon exp & la mort pour Vitas body convolution.

astrangerparadise.com/ianlinter

 

Juca Pimentel

Eu olho para Ti, e tenho medo, minha querida… Eu vejo-Te despida num sonho purpúreo e diabólico, e sinto nojo… e sinto vontade de vomitar, meu amor….

omnicorn.com/jp

Radio schedule

Wed Feb 22 @15:00 - 05:00PM
Free

Thu Feb 23 @15:00 - 05:00PM
Free

Thu Feb 23 @20:00 - 08:59PM
O coleccionador de sons

Fri Feb 24 @15:00 - 05:00PM
Free

Sat Feb 25 @15:00 - 05:00PM
Free

offb001 Plasma - Digital - A Stranger Paradise
OLoF NiNe - Château Rouge - A Stranger Paradise

Newsletter


04 Jun

Crónicas dos olhares por cima dos carros

Rate this item
(0 votes)

Crónicas dos olhares das pessoas por cima dos carros

 

I

 

Na montanha do pó cresce um torso feminino suspenso no ar por um cordel que se enfia nas cavidades pouco profundas visíveis no chão. É uma imagem algo desfocada de um Imperador antigo que foi hermafrodita enquanto se sentava no alto de um pedestal marmóreo, aquele que suportou Vénus antes desta se deslocar e esborrachar a cabeça da criança que brincava suportando na mão esquerda um longo facho de prata cinzelado pelo artífice da corte. À sua volta movimentam-se as carpideiras nos seus longos panos negros, que, com as lágrimas caindo num recipiente esculpido no mais puro diamante, juntam o precioso líquido acre e corado com o qual mais tarde saciarão a sede do seu mestre, no meio dos grunhidos e gestos de imenso prazer deste. No meio do fumo surge uma mulher semi-oxigenada, com os braços cobertos por tatuagens negras e exóticas, levada em ombros por seis negros de músculos brilhantes que seguem nus e de pichas entesoadas.

 

II

 

-Oh, vem! Anda para cima de mim! Penetra-me bem fundo! Eu amo-te tanto. Tu nem sabes como eu te amo tanto, meu querido. Desde o primeiro dia, lembras-te? Estavas tu parado no apeadeiro do autocarro. Sorrias para uma criança que dançava à tua frente. E eu, quis logo agarrar esse teu sorriso com os dentes. Eras tão cândido! Oh! Vem para cá! Fura-me! Anda! Tu olhaste para mim e continuaste a sorrir, como se a partir desse momento também eu fosse criança, uma criança bela e despreocupada. Eu logo ali me despedi do mundo para me devotar a ti, meu amor... E deste-me a mão em silêncio e levaste-me a passear rua abaixo. Como eu gostei de mim e do mundo naquela hora! Anda! Enfia-mo todo! É bom! O nosso namoro foi tão bom. Ainda recordo a tua mãe que ainda era viva e quando tu me apresentaste  a ela a ela, como ela estava feliz; não parava quieta, sempre a perguntar se queria isto ou se queria aquilo. E eu amei-te ainda mais por ver que eras amado pela tua mãe. E éramos os dois tão lindos. Espera aí! Deixa-me levantar a perna. Agora! Mais rápido! Espeta! Oh, meu amor. E os dois tão inocentes. Fechaste os olhos quando te mostrei pela primeira vez os meus seios pontiagudos, e coraste também. Nem queria acreditar que ainda havia rapazes como tu, tão belos, tão sensíveis e amorosos. Estes tempos agora são tão esquisitos. Oh, querido! Rápido! Mais rápido! Rebenta-me! Oh, meu amor...

 

 

 

 

produções Ganza:1999

 

 



Juca Pimentel

Juca Pimentel

Eu olho para Ti, e tenho medo, minha querida… Eu vejo-Te despida num sonho purpúreo e diabólico, e sinto nojo… e sinto vontade de vomitar, meu amor….

Website: omnicorn.com/jp E-mail: This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it
More in this category: Sono »

Add comment


Security code Refresh

Most recent

Most read